viagens pela paisagem que me é próxima e interior, viagens por filmes, viagens de aquém e além mar

.pesquisar

 

.viagens recentes

. João Sete Sete - o filme

. Pele - o filme

. Finisterre - o filme

. Ellektra - o filme

.arquivos

. Setembro 2012

. Março 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

blogs SAPO

.links


Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2006

João Sete Sete - o filme

É a primeira longa-metragem de animação portuguesa em ante-estreia no Teatro Angrense, Sábado, 16, às 11:00 e 16:00. Entrada livre.

O filme conta em 74 minutos as aventuras do pequeno JOÃO SETE SETE, o protagonista. Toda a história se passa no distante reino do REI BARBECA que só pensa em construir uma descomunal torre. Tirano, maquiavélico, avaro de mais e mais, REI BARBECA tudo proíbe, mergulhando o reino num imenso e tristonho cinzento. Um reino onde não se pode brincar!

JOÃO SETE SETE é o inesperado acendedor de lareiras do REI BARBECA . JOÃO é JOÃO! Mas um dia passeando na interdita floresta de Azeméis, conhece uma menina que lhe fala dos segredos das pedras e dos mistérios do "outro lado da floresta"... Entretanto, a floresta vai-se dizimando e a infindável torre do castelo continua a subir. Será o TECTO DO MUNDO o topo de tão imensurável construção?
Todas as criaturas da floresta, o GNOMO e a FADA DAS ÁGUAS, olham para JOÃO como a última oportunidade. Será ele capaz?

Realizado por Carlos Silva, Costa Valente e Vítor Lopes, este filme foi produzido pelo Cine-Clube de Avanca e foi integralmente fabricado no nosso país. Utilizando a mais recente tecnologia do desenho animado, é também o primeiro filme de longa-metragem produzido em todo o mundo com recurso às imagens vectoriais com aplicação de estruturas de animação. Este processo revolucionário que já vinha a ser experimentado em várias curtas-metragens e mais recentemente em séries animadas de televisão como "VAMOS CANTAR" (também co-produzida pelo Cine-Clube de Avanca ), permitiu reduzir custos e tempo de produção para além de disponibilizar o filme com melhor qualidade para todas as plataformas de exibição desde a sala de cinema aos telemóveis.

Mesmo assim, o filme ocupou cerca de 100 técnicos ao longo de três anos de efectiva produção e vários outros de preparação. Este é o resultado do maior projecto de sempre no cinema de animação português.

A música do filme foi composta integralmente pelo Maestro António Vitorino d'Almeida , emprestando brilhantemente uma criatividade e um colorido que tornam este filme ainda mais vocacionado para toda a família, apesar de este ser um filme destinado sobretudo aos mais pequenos.

Este filme marca a chegada de Portugal ao conjunto de países produtores de longas metragens de animação,  89 anos após a primeira longa-metragem do cinema mundial, realizada na Argentina por Quirino Cristiani , ou 80 anos após a primeira longa-metragem do cinema de animação europeu "As Aventuras do Príncipe Achmed " de Lotte Reiniger , e 69 anos após a estreia da "Branca de Neve e os  Sete Anões" de Walt Disney.


publicado por mq às 17:38

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 16 de Novembro de 2006

Pele - o filme

E o próximo filme, no Domingo, pelas 16:00, chama-se PELE.

Realizador: Fernando Vendrell
Actores: Daniela Costa, Francisco Nascimento, Manuel Wiborg
Classificação: M/12
POR, 2006, Cores, 102 min.


Lisboa, 1972. Olga tem uma vida fácil, no seio de uma família abastada. Estuda na universidade, frequenta as festas da alta sociedade, joga ténis e passa lânguidas tardes à beira da piscina com as suas amigas. Mas ela sabe que é diferente: a sua pele não é branca. Olga depara-se com este desconforto progressivo, mas prefere ignorá-lo. Só que quando o seu pai regressa de Angola, após 20 anos passados no estrangeiro, o seu mundo de conforto e fantasia começa a esboroar-se. Olga já não sabe quem é ou de onde vem. Começa então a sua viagem de descoberta de identidade e liberdade. Olga envolve-se com outras pessoas, com outras formas de viver e com o teatro. E como actriz, compreende que a luta das emoções e das memórias começa na pele.


publicado por mq às 15:24

link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 2 de Novembro de 2006

Finisterre - o filme

Finisterre , Onde Termina o Mundo é o filme a ser exibido no próximo sábado, 4 de Novembro, no Teatro Angrense, pelas 16:00.



  Título Original
: Finisterre »
  De: Xavier Villa Verde
  Com: Nancho Novo, Enrique Alcides, Chete Lara e Geraldine Chaplin
  Origem: Espanha, 1999
  88 minutos
  drama

 

Mário e Berto vivem com a mãe, nostalgicamente ligados às ruínas da velha Combi em que os pais um dia chegaram à Costa da Morte, na Galiza, sonhando partir um dia à procura do pai ausente. Inesperadamente, Mário parte e apenas reencontra o irmão, quando este sai detrás das grades para uma "condicional" em que toda a sua vida irá mudar, sem retorno possível. Laura será como que uma ponte entre os dois irmãos, como que um testemunho passado por Mário a Berto , mantendo viva a frágil ligação entre os dois.


A crítica de Falco Fernandes

Berto, Mario e Laura, numa caminhada que nos leva de Finisterra a Lisboa, com passagem por Madrid, eis a proposta de Xavier Villaverde, realizador galego que assina aqui o seu terceiro trabalho, depois de Tacón, em 1982 e Continental, sete anos depois.

Nancho Novo, Elena Anaya e Enrique Alcides dividem entre si os crédito de um filme duro, trasbordante de imagens vigorosas e belas, por onde também passa Geraldine Chaplin, na mãe dos dois rapazes, abandonada da Costa de le Muerte, onde tudo começa e irá inapelavelmente terminar.

Caminhada marcada pela ausência do patriarca, supostamente a monte algures na América Latina, mas afinal esquecido da família, na pacata cidade de Lisboa, ali a dois passos de um outro extremo europeu, de um outro "fim do mundo"...

Visceralmente urbano, o filme de Xavier Villaverde reafirma o vigor do cinema galego, quase desconhecido entre nós, a despeito das fortes ligações entre a região autonómica espanhola e sobretudo o norte do nosso país, pese embora alguns esforços de entidades portugueses e galegas no sentido de uma aproximação, como é caso das federações de cineclubes.



publicado por mq às 17:29

link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 19 de Outubro de 2006

Ellektra - o filme

Inserido no Ciclo de Cinema organizado pela CAH - Cine Angra do Heroísmo, será projectado no próximo sábado, 21, pelas 16:00, no Teatro Angrense, a curta metragem VIOLA DA TERRA e o filme ELLEKTRA, do realizador belga Rudolf Mestdagh.

 

Sinopse
Depois de um trágico acidente, várias pessoas perdem o seu dom natural. Debaixo do misterioso nome ELLEKTRA, em mensagens SMS, uma jovem reúne estas pessoas e procura consolá-las.

Por causa destes acidentes fatais, 5 pessoas perdem o seu amor à vida. Um DJ fica surdo, uma perfumista perde o odor, todos perdem o sentido da sua vida, incluindo Sam. A filha de Sam morreu depois de um trágico acidente de carro e a mãe tornou-se toxicodependente, mas ao encontrar a misteriosa Ellen (de 16 anos de idade), ela ganha um novo alento. Pouco a pouco, Sam reconhece que o destino de Ellen é ajudar as pessoas.

As perdas de uns podem compensar os dons de outros. Juntos crescem mais fortes e dão um novo rumo às suas vidas.

Evocando outros filmes negros como “Amores Perros” e “Magnólia”, inspirado nos pesadelos poéticos ao jeito de Lynch, no romantismo tragicómico de Jeunet e nas personagens caricatas/surpreendentes de Almodôvar, eis o mundo surrealista de Ellektra.

ELLEKTRA nos festivais
Distinguido com 9 prémios nos festivais internacionais de Avanca, B-M New York, Cyprus, Syracuse e Southampton, ELLEKTRA foi também exibido nos festivais de Ghent, Saarbrucken, Slamdance, Malibu, Moscovo, St. Petersburg, Calgary, Edmonton, Bogotá, Mil Valley,...

Ficha Técnica
Realização: Rudolf Mestdagh
Intérpretes: Gert Portael, Axelle Red, Matthias Schoenaerts, Cathérine Kools, Serge Henri Valcke, Han Kerckhoffs
Bélgica, 2004
Género: Comédia dramática
Duração: 103 min.
Classificação: M/12


Rudolf Mestdagh

Produtor, realizador e argumentista, Mestdagh nasceu em Bruxelas em 1965.
Estudou produção e realização na Academia do Filme de Bruxelas e literatura e argumento na Universidade Livre de Bruxelas.

A sua formação de produção passou ainda pelo Media Business School e pelo EAVE, ambos integrantes do programa comunitário Media Plus.
Fundou duas companhias de produção, das quais a “Cosmokino” é a responsável pelo seu filme “Ellektra”, longa-metragem distinguida no AVANCA’05.

As suas primeiras curtas-metragens valeram-lhe várias distinções, nomeadamente “Robokip” que integrando a selecção oficial, terminou distinguida com o “Platteauprize” para a melhor curta-metragem do Festival de Cinema de Cannes em 1993. Entre outros festivais, os seus filmes foram premiados em Oakland, Columbus, Rochester, Mons e Bruxelas.

Também os seus filmes publicitários foram premiados, nomeadamente com a “Bronze World Medal” do “New York Advertising Festival” e “shortlisted” em Cannes.
Nos últimos anos, Mestdagh tem estado envolvido na co-produção de vários projectos internacionais de longa-metragem.

 


publicado por mq às 15:19

link do post | comentar | favorito