viagens pela paisagem que me é próxima e interior, viagens por filmes, viagens de aquém e além mar
Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

.pesquisar

 

.viagens recentes

. Comida e fotografia

. tubos

. Avaliação da qualidade na...

. No paraíso ano após ano

. Férias floridas

. Primavera

. jarro

. flor 2

. flor

. Clorofila

. Primavera

. Martinha

. Fly fishing ou a imagem d...

. ... e o paraíso continua ...

. Blawenburg Band em Hopewe...

. Sporting vence torneio Ba...

. Alvor

. Por Cascais e Sintra

. Festival de Jazz de Monte...

. Com neve na praia

. De Berlim, com amor

. Será que a crise nos veio...

. Berlin - bald bin ich da!

. Os nossos dias voltarão a...

. Grounds for Sculpture

. Phila

. mais uma foto do paraíso

.arquivos

. Setembro 2012

. Março 2012

. Outubro 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Março 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

blogs SAPO

.links

Sexta-feira, 22 de Dezembro de 2006

BOAS FESTAS

Há quem não se entusiasme muito com as festas natalícias e com todo o ruído economicista à volta do que deveria ser unicamente o verdadeiro espírito do Natal - O BEM -, mas nas últimas décadas temos caminhado mais no sentido do TER e não do SER. Acredito nas sementes que se vão lançando para se inverterem os valores que predominam nos tempos actuais, e acredito na prevalência da bondade sobre o mal. Comprar muito parece que já nos está no sangue e rapidamente nos esquecemos dos que nada têm de essencial - saúde, alimentação, casa, família, paz.



Também eu me deixei levar há 3 anos pela parafernália montada na Lapónia para atrair turistas desejosos de encontrar o senhor de barbas brancas, e levei as minhas sobrinhas até lá. Pelo sonho é que vamos, na maior parte das vezes.



Se ainda não escreveram ao Pai Natal, creio que ainda vão a tempo. O correio está aberto durante todo o ano!

publicado por mq às 11:50

link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2006

João Sete Sete - o filme

É a primeira longa-metragem de animação portuguesa em ante-estreia no Teatro Angrense, Sábado, 16, às 11:00 e 16:00. Entrada livre.

O filme conta em 74 minutos as aventuras do pequeno JOÃO SETE SETE, o protagonista. Toda a história se passa no distante reino do REI BARBECA que só pensa em construir uma descomunal torre. Tirano, maquiavélico, avaro de mais e mais, REI BARBECA tudo proíbe, mergulhando o reino num imenso e tristonho cinzento. Um reino onde não se pode brincar!

JOÃO SETE SETE é o inesperado acendedor de lareiras do REI BARBECA . JOÃO é JOÃO! Mas um dia passeando na interdita floresta de Azeméis, conhece uma menina que lhe fala dos segredos das pedras e dos mistérios do "outro lado da floresta"... Entretanto, a floresta vai-se dizimando e a infindável torre do castelo continua a subir. Será o TECTO DO MUNDO o topo de tão imensurável construção?
Todas as criaturas da floresta, o GNOMO e a FADA DAS ÁGUAS, olham para JOÃO como a última oportunidade. Será ele capaz?

Realizado por Carlos Silva, Costa Valente e Vítor Lopes, este filme foi produzido pelo Cine-Clube de Avanca e foi integralmente fabricado no nosso país. Utilizando a mais recente tecnologia do desenho animado, é também o primeiro filme de longa-metragem produzido em todo o mundo com recurso às imagens vectoriais com aplicação de estruturas de animação. Este processo revolucionário que já vinha a ser experimentado em várias curtas-metragens e mais recentemente em séries animadas de televisão como "VAMOS CANTAR" (também co-produzida pelo Cine-Clube de Avanca ), permitiu reduzir custos e tempo de produção para além de disponibilizar o filme com melhor qualidade para todas as plataformas de exibição desde a sala de cinema aos telemóveis.

Mesmo assim, o filme ocupou cerca de 100 técnicos ao longo de três anos de efectiva produção e vários outros de preparação. Este é o resultado do maior projecto de sempre no cinema de animação português.

A música do filme foi composta integralmente pelo Maestro António Vitorino d'Almeida , emprestando brilhantemente uma criatividade e um colorido que tornam este filme ainda mais vocacionado para toda a família, apesar de este ser um filme destinado sobretudo aos mais pequenos.

Este filme marca a chegada de Portugal ao conjunto de países produtores de longas metragens de animação,  89 anos após a primeira longa-metragem do cinema mundial, realizada na Argentina por Quirino Cristiani , ou 80 anos após a primeira longa-metragem do cinema de animação europeu "As Aventuras do Príncipe Achmed " de Lotte Reiniger , e 69 anos após a estreia da "Branca de Neve e os  Sete Anões" de Walt Disney.


publicado por mq às 17:38

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sexta-feira, 8 de Dezembro de 2006

O Herói - o filme



Sábado, 9 de Dezembro, no Teatro Angrense, pelas 16:00.

realização: Zezé Gamboa
intérpretes: Milton Coelho, Oumar Makéna Diop, Patrícia Bull
Drama/2004/Portugal/Angola/França

O filme baseia-se num argumento de Carla Baptista e conta a história de Vitório, um mutilado da guerra civil angolana que tenta a custo sobreviver em Luanda, no pós-conflito.

A longa-metragem, já exibida em diversos festivais internacionais, no Canadá, Reino Unido, França, Tunísia e Brasil, recebeu em Janeiro o grande prémio do júri na categoria de drama do Festival Sundance, nos EUA.



publicado por mq às 12:58

link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 1 de Dezembro de 2006

GAIVOTAS FERIDAS

Ainda acredito que possas voltar

Virás num dia cinzento

que te esconda dos olhares indiscretos

e quando nos abraçarmos teremos a neblina por protecção

Na distância que nos separa da casa

que continua a ser tua

falar-te-ei dos momentos em que a solidão se sobrepôs à tua memória

e oferecer-te-ei flores do meu jardim

No nosso quarto

devoraremos a saudade

e prometeremos devolver ao mar

as gaivotas feridas

 Margarida Quinteiro


publicado por mq às 21:13

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito